Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Casamarela

Blog experimental, dedicado a uma ala do Palácio Amarelo de Portalegre. Verdadeira «Casa de Bonecas», onde, seguindo a tradição, há sinais e emblemas de nobreza. Assim: Casa Amarela, Cas'Amarela, ou Casamarela

Casamarela

Blog experimental, dedicado a uma ala do Palácio Amarelo de Portalegre. Verdadeira «Casa de Bonecas», onde, seguindo a tradição, há sinais e emblemas de nobreza. Assim: Casa Amarela, Cas'Amarela, ou Casamarela

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A BEM da NAÇÃO, com fotografia de 1949

Vista da Rua, então, e tal como o Largo, chamado Gil Vicente... Rua que dá acesso ao Largo Cristóvão Falcão, em Portalegre: em 1949.

FotoMonumentos_nº-00115026-Portalegre1949.jpg

(legenda)

Vendo-se ao fundo uma faixa vertical que é o Palácio Amarelo.

Referências importantes estão inscritas na imagem acima. Ver ainda em:

http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPAArchives.aspx?id=092910cf-8eaa-4aa2-96d9-994cc361eaf1&nipa=IPA.00003211

A BEM da NAÇÃO como título deste post é uma «homenagem» aos Processos que estão no site do SIPA, Monumentos, da Direcção Geral do Património Cultural.

Processos que incluem as várias cartas trocadas entre a Câmara Municipal de Portalegre e os «serviços dos monumentos nacionais» - que agora abreviadamente designamos assim; sempre com a sua insígnia (ou a frase feita) de "A BEM DA NAÇÃO".

Essa correspondência que existiu entre 1952 e 1981, ou as várias cartas que se podem ler, são a maior das ironias, face à ruína que herdámos. Mas também à maneira como a Câmara Municipal de Portalegre, ainda hoje funciona e se articula, internamente, com, e entre os respectivos serviços...

A Bem da Nação, haveremos de contar o resto (o que se fôr passando, se tivermos paciência...): sobre como se consegue ter apoios para restaurar o que todos desleixadamente, foram deixando cair. E como ainda agora, os guias e os itinerários para os turistas, são como verdadeiros jogos de - "Às Escondidas", em que se anuncia aquilo que não se pode ver; ou que, praticamente, já lá não está, mesmo nadinha, para poder ser mostrado!

Enfim, ainda me lembro: era como quando se mostrava Monserrate (durante os anos 80-90), sobretudo aos turistas ingleses; mas aquilo que se podia dar a ver, era a verdadeira ruína..., que só (nos) dava a maior vontade de chorar!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.